[LIVRO] Budapeste

Budapeste
Autor: Chico Buarque
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 174
Onde comprar: Submarino | Amazon  (e-Book)
José Costa é um ghost-writer que escreve textos na Cunha & Costa Agência Cultural, firma em que é sócio com seu amigo de faculdade Álvaro Cunha, este especializado em promover o trabalho de Costa. Na volta de um congresso de autores anônimos, Costa é obrigado a fazer uma escala imprevista na cidade título do romance, o que desencadeia uma série de acontecimentos que constituem o centro da trama: casado com a apresentadora de telejornais Vanda, Costa conhece Kriska na Hungria, que o apelida de Zsoze Kósta e com que aprende húngaro - segundo o narrador, "a única língua no mundo que, segundo as más línguas, o diabo respeita". Entre as diversas idas e vindas entre Budapeste e o Rio de Janeiro, a trama se alterna entre seu enfeitiçamento pela língua húngara e o seu fascínio em ver seus escritos publicados por outros, bem como o seu envolvimento amoroso com Vanda e Kriska.


  Nuca havia lido nada de Chico Buarque, apesar de saber que seus livros fazem bastante sucesso. Uma amiga, fã do cantor- autor, resolveu me emprestar este livro, e aqui estou para contar a vocês um pouquinho sobre essa obra e como foi a experiência.

Blog Baseado em Livros José Costa escreve desde cartas de amor, passando por trabalhos universitários, artigos científicos e até livros para pessoas que o contratam como ghost writer. Sente-se extremamente realizado ao ver seus escritos assinados por outras pessoas e preza muito pela confidencialidade de seus serviços. Costa tem um casamento medíocre com Vanda e um filho, Joaquinzinho.

 Certa vez, indo parar por acaso em Budapeste enquanto voltava de um congresso de escritores anônimos, conhece Kriska numa livraria e a garota se dispõe a ensiná-lo a língua húngara, "a única que o diabo respeita". Costa é um aluno difícil, no princípio, mas quando consegue sucesso em suas aulas, a professora sabe muito bem como retribuir e ambos passam a ter um relacionamento. Apesar disso, José sente saudades de seu país e sua língua nativa.
Duas pessoas não se equilibram muito tempo lado a lado, cada qual com seu silêncio; um dos silêncios acaba sugando o outro... - pág 61 -
 Tendo retornado ao Rio de Janeiro, um alemão chega à Agência Cunha & Costa para encomendar uma auto biografia, e após algumas tentativas frustradas, Costa entrega um livro que se torna um sucesso enorme, O Ginógrafo. Vanda, que nunca se interessou pelo trabalho do marido - que costumava deixar artigos seus espalhados pela casa propositalmente - torna-se fã do "autor" estrangeiro.

 Neste ponto, começa o conflito de José. Ao mesmo tempo que o escritor fantasma zela pela discrição, tive impressão que o mesmo alimenta um desejo secreto de reconhecimento. Uma vaidade disfarçada que ansiava por admiração e, quando vê sua esposa encantada com um de seus trabalhos (sem saber), acaba confessando que o autor é ele.

Chico Buarque
 Tomado de culpa por quebrar um de seus mais valiosos princípios, Costa viaja novamente para Budapeste e, vivendo com Kriska, passa a trabalhar como subalterno no Clube das Belas- Letras (uma sátira à Academia Brasileira de Letras, tive impressão). Neste clube, Costa conhece o famoso e decadente poeta Kocsis Ferenc, que passa por uma crise de popularidade. Num rompante de criatividade, Costa, que nunca tinha escrito um poema, escreve de uma só vez o volume Tercetos Secretos, e entrega-o para Kocsis assiná-lo como se fosse de sua própria autoria.

 O livro torna-se um novo sucesso e o ciclo recomeça. Costa anseia pela aprovação de Kriska, que não acontece pois ela não gosta muito do livro; zomba do elitismo e superficialidade do mundo literário e acaba isolando-se num quarto de hotel quando, repentinamente, descobre que tornou-se uma celebridade por um motivo bastante inusitado que não vou divulgar aqui pra evitar spoilers! Heheheheh
Blog Baseado em Livros

 Fato é que tive uma certa dificuldade no início da leitura. A passagem do tempo não é linear e os capítulos são bastante longos; não é um de meus livros favoritos. Porém, o fato de ser rápido e com toques de bom humor contribui para que a leitura transcorra tranquilamente. Apesar de sua aparente simplicidade, Budapeste trata da duplicidade (tanto que sua capa é espelhada), de uma busca por si mesmo e uma identidade em crise.

 As "sujeiras" e a frivolidade dos bastidores da vida de escritores e eventos literários são esfregados na nossa cara, e o uso de brasileirismos, tão comuns a Chico Buarque, são um deleite à parte. Este livro foi adaptado para o cinema em 2009 pelo diretor Walter Carvalho e conta com a participação de Leonardo Medeiros (Costa), Giovana Antonelli (Vanda) e Gabriella Hámori (Kriska).


 Você já leu o livro ou assistiu ao filme? Me conte o que achou! Não leu/assistiu mas tem curiosidade? Conte também!

 Beijinhos.

4 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Tenho muita vontade de ler esse e outros do Chico, mas até hoje não li.
    Tenho uma professora na faculdade que gosta muito do que ele escreve, vive falando alguma coisa dele pra gente rs
    Bjs

    http://restauradordosnervos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Esse livro <3

    Adoro a escrita do Chico, o modo como ele narra deixa a história atraente e interessante de ler, com personagens tão interessantes quanto. Budapeste é bom livro, li numa época que estava bem interessada em livros nacionais e foi um grande achado. Dá uma super vontade de falar húngaro, hahaha.


    Adorei a resenha!
    Um beijo,

    digaileitoresblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Acabo de me dar conta que li pouquíssimos livros de autores nacionais. Não sei se essa história me atrai muito, mas gostei das citações!

    Me chama de Bella

    ResponderExcluir
  4. Oi Fê tudo bem?
    Confesso que não tenho vontade de ler esse livro :(
    Não faz muito o meu gênero, então falta um pouco de curiosidade com a história.
    Mas adorei conhecer um pouquinho dele.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Twitter

    ResponderExcluir